Os três porquinhos

Era uma vez uma família feliz de porquinhos que vivia em uma encantadora floresta. Eram três irmãos que, ao crescerem, perceberam que ainda dependiam muito dos pais. Eles não ajudavam nas tarefas de casa e não se esforçavam em nada.

Um dia, reuniram-se e decidiram que era hora de viverem por conta própria. Os pais deram a cada um deles dinheiro e sábios conselhos para seguir.

Então, os três porquinhos partiram para a floresta, em busca do lugar perfeito para construir suas casas.

assumidamente eu

O primeiro porquinho, o mais preguiçoso de todos, escolheu construir rapidamente uma casa que não exigisse muito esforço. Decidiu construir uma casa de palha, apesar dos avisos de seus irmãos de que não era segura.

O segundo porquinho, um pouco menos preguiçoso, mas ainda relutante em trabalhar, optou por uma casa de madeira. Ele pensou que seria mais resistente que a casa de palha e também mais rápida de construir.

Já o terceiro porquinho, o mais sensato e trabalhador, decidiu construir uma casa de tijolos e cimento. Demorou um pouco mais para construí-la, mas, após três dias de intenso trabalho, a casa estava pronta e perfeita!

Com cada porquinho em sua nova casa, chegou a notícia de que um lobo perigoso rondava pela floresta. Logo, o lobo apareceu à procura de uma presa suculenta para devorar.

O lobo foi até a porta da casa do primeiro porquinho e tentou intimidá-lo:

– Vá embora, lobo! Você não entrará aqui!

Mas o lobo insistiu e disse:

– Abra a porta ou soprarei, soprarei e destruirei sua casa!

Vendo que o porquinho não abria a porta, o lobo começou a soprar com tanta força que a casa de palha voou pelos ares!

O porquinho, desesperado, fugiu para a casa de madeira de seu irmão. O lobo correu atrás dele, mas felizmente não conseguiu alcançá-lo.

O lobo, então, bateu na porta da casa do segundo porquinho. O porquinho, confiante de que sua casa era mais resistente, disse:

– Vá embora, lobo! Você não conseguirá entrar na minha casa de madeira!

O lobo retrucou:

– Abra a porta ou soprarei, soprarei e destruirei esta casa também!

Os porquinhos não abriram a porta e o lobo soprou com tanta força que a casa de madeira desmoronou em pedaços!

Os porquinhos apavorados correram para a casa de tijolos de seu irmão. O lobo ainda tentou alcançá-los, mas em vão.

Ao chegar na porta da casa de tijolos, o lobo gritou furioso:

– Abram a porta agora!

Mas os porquinhos responderam confiantes:

– Vá embora, lobo! Sua fúria não derrubará esta casa, pois ela é a mais resistente de todas!

– Abra a porta ou soprarei, soprarei e destruirei esta casa!

Como os porquinhos não abriram a porta, o lobo soprou, soprou e soprou… Mas a casa permaneceu intacta!

O lobo ficou tão cansado que decidiu descansar ao pé da porta. Nesse momento, teve uma ideia:

– Vou subir no telhado e entrar pela chaminé!

Mas os porquinhos foram rápidos e espertos. Eles prepararam um balde enorme de água fervente e o colocaram na lareira, esperando o lobo.

Quando o lobo entrou na chaminé, caiu direto no balde de água fervente!

– Ai! Socorro! Quente demais! – gritou o lobo assustado.

Ele fugiu para o lago para aliviar as queimaduras e nunca mais voltou para perturbar os porquinhos.

Os porquinhos aprenderam a lição de que o esforço vale a pena. Decidiram morar todos juntos em uma casa dos sonhos, onde aprenderam a viver em harmonia e felicidade.

E assim, os três porquinhos viveram felizes para sempre, sabendo que tudo o que é construído com dedicação e trabalho árduo traz os melhores resultados!

Comentários